MVP: System Center - MCSE: Private Cloud - MCPD: .NET Framework 3.5 - MCITP - MCTS - MCDBA
MVP Logo

Pageviews 2014: 1194125
Pageviews 2013: 2399409
Pageviews 2012: 3209633
Pageviews 2011: 2730038
Pageviews 2010: 1470924
Pageviews 2009: 64608

Últimos posts

Categorias

Blogroll

Arquivo

Tags

Exame 70-669–Microsoft Desktop Virtualization

Hoje passei no exame 70-669 que abrange as tecnologias de virtualização de desktops da Microsoft. Ele é o segundo de três exames necessários para o MCITP em Virtualização.

image

Vou detalhar as 4 principais tecnologias que são abordadas e alguns exemplos de perguntas. Obviamente que meu exame teve uma parte das perguntas possiveis e não vou passar exatamente os cenários nem as opções.

Seguem materiais de estudos obrigatórios para este exame:

APP-V (Application Virtualization)

Este é a tecnologia que a Microsoft adquiriu a alguns anos e se chamava SoftGrid. O conceito deste tipo de tecnologia é muito interessante, mas apesar de levar o nome de virtualização é bem diferente dos modelos que conhecemos no Hyper-V e MED-V. É formado pelo App-V Manager e o App-V Sequencer.

O trabalho começa ao “sequenciar” uma aplicação e criar um pacote. Este processo nada mais é do que um monitor que ao ser iniciado passa a copiar tudo o que acontecer em um desktop. Após iniciá-lo fazemos a instalação de um software e ao final temos o pacote (package) pronto com todos os arquivos, chaves de registro e atalhos.

Exemplos de perguntas sobre o App-V:

  • Um pacote ficou corrompido, qual a melhor forma de resolver?
  • Como você faria para distribuir um pacote sem ter o App-V Manager no ambiente?
  • Qual a ferramenta para garantir atualizações no pacote sem redistribui-lo?

Portal TechNet: http://technet.microsoft.com/en-us/appvirtualization/bb508934 e http://technet.microsoft.com/en-us/appvirtualization/cc843994

MED-D (Enterprise Desktop Virtualization)

O MED-V nada mais é do que um automatizador e gerenciador de imagens para o Windows Virtual PC do Windows 7, e é formado pelo gerenciador e pelo MED-V Workspace que fica no desktop.

Esta ferramenta irá permitir que as imagens de Windows XP criadas com aplicativos sejam distribuidas entre os usuarios. Por exemplo, imagine que duas determinadas aplicações não executem no Windows 7 e seja necessário usar o XP Mode. O MED-V ajudará a distribuir, atualizar e controlar estas VMs.

Exemplos de perguntas sobre o MED-V:

  • Como fazer para converter o MED-V já existente para Cluster?
  • Como otimizar a distribuição de imagens do MED-V pela rede?
  • Como evitar que o MED-V consuma muito espaço em disco no servidor?

Portal TechNet: http://technet.microsoft.com/en-us/windows/bb899442 e http://technet.microsoft.com/pt-br/windows/gg276319.aspx

RDS (Remote Desktop Services)

O RDS é o Terminal Services do Windows 2008 e dispensa grandes explicações. Porem, é importante lembrar que ele é formado por vários componentes: RD Gateway para garantir acesso pela internet, RD Web Access para criar o portal de aplicações pelo browser, RD Broker para distribuir e gerenciar afinidade entre o farm, RD Session para manter os perfis dos usuários.

É importante lembrar muito bem os papeis e como cada um deles se relaciona com outro e qual a melhor forma de trabalhar com estes papeis em uma empresa.

Exemplos de perguntas sobre RDS:

  • Dado um quadro de servidores com várias funções, qual deles seria colocado no Conexão da Area de Trabalho?
  • Como garantir que uma impressora do usuário não seja redirecionada para a sessão remota?
  • Como impedir que um pendrive seja mapeado na sessão remota?
  • Quais portas e serviços adicionais precisam estar habilitados entre os papeis do RDS?

Portal TechNet: http://technet.microsoft.com/en-us/library/cc770412.aspx e http://technet.microsoft.com/en-us/edge/ff945046

VDI (Virtual Desktop Infrastructure)

Esta tecnologia pode ser facilmente explicada como uma junção do RDS com o Hyper-V para criar ambientes virtuais de desktop. Você pode criar várias VMs de Windows 7 no Hyper-V e pelo AD Users and Computers vincular os usuários as VMs quando eles acessarem pelo RDS.

Esta foi a parte do exame que teve menos perguntas, já que o processo de VDI da Microsoft é extremamente simples de ser criado e configurado. Também não é facil encontrar documentação sobre isso, porem no Edge existem muitos vídeos.

Exemplos de perguntas sobre VDI:

  • Como fazer o licenciamento “per-user” e “per-device”, revogar de um ou outro e implementar?
  • Qual a melhor forma de transferir dados de uma VM para outra?
  • Como fazer com que um atalho apareça para todos os usuários?

Portal TechNet: http://technet.microsoft.com/en-us/edge/ff945049

É isso ai, bom exame e me conte se passou!!!

Documentação de Implementação do App-V 4.6

Apesar de já estar em uma versão avançada, o App-V ainda é desconhecido de muitos profissionais. Porem, trata-se de uma ferramenta para virtualização, mas ao invés de hosts virtualiza aplicações. O seu nome anterior do produto era SoftGrid que foi comprado pela Microsoft.

MODELOS DE IMPLEMENTAÇÃO

Basicamente, o App-V permite que aplicações sejam “sequenciadas” e gera-se um pacote com a aplicação, extensão osd.

alt

Note que a aplicação é instalada no papel do servidor “Sequenciador” no (item 1) que gera o pacote que é distribuído pelo System Center ou pelo próprio App-V Server (item 3) para os usuários que tem as aplicações publicadas por regras no AD administradas pelo console do App-V (item 2).

Também é possível não usar uma estrutura tão complexa como a acima e apenas um servidor que sequencia e distribui a aplicação, mas note que neste diagrama usa-se tanto estações quanto o Terminal Services ou RDS (Remote Desktop Service) do Windows 2008.

Centralized-Management

A vantagem de usar o RDS/TS para publicar a aplicação é que os usuários não precisaram ter a aplicação instalada no farm, por exemplo, criando um ambiente muito mais versátil quando utiliza-se este modelo.

A aplicação pode ser enviada para o cliente tanto pelo protocolo proprietário (RTPS/S) como HTTP. Veja no final a referencia para utilizar HTTP no processo de publicação e distribuição dos pacotes.

VANTAGENS E FUNCIONAMENTO

As vantagens do App-V começam no fato de não ter a instalação individual do pacote nas maquinas. Com isso não precisamos publicar um msi no AD ou no SCCM. A aplicação é copiada na maquina do usuário pelo cliente do App-V na primeira execução e extraído dinamicamente quando da execução.

Como a aplicação sequenciada nada mais é do que um cliente witness que monitora uma instalação e copia no osd todas as alterações criadas pelo instalador, o papel do cliente do App-V é fazer as cópias virtuais dos arquivos (dll, exe, bin, etc.) para os diretórios virtuais correspondentes e também as chaves de registry de forma virtual no registro do Windows.

Um exemplo prático seria a instalação de 3 diferentes versões do Office (2003, 2007 e 2010) na MESMA MAQUINA:

  1. No servidor de sequenciamento do App-V instalamos as 3 versões separadamente criando os 3 pacotes de arquivos, contendo os binários, chaves de registry e outros arquivos da aplicação
  2. Utilizando o console do App-V designamos as 3 versões do Office para um usuário
  3. O cliente do App-V baixa os 3 pacotes individualmente (osd e arquivos auxiliares) para um diretório de conteúdo temporário
  4. O cliente App-V cria os 3 atalhos na estação para as versões individuais, sem que a aplicação esteja fisicamente instalada
  5. Ao clicar no ícone de cada versão o cliente do App-V explode o osd e cria as chaves de registry e copia os arquivos da aplicação, porem em uma camada virtual
  6. A aplicação é executada e ao final esta camada virtual é destruída

Este modelo de uso permitirá que ao executar uma aplicação o usuário não tenha “restos” de seus binários no sistema operacional, permitindo compatibilizar aplicações mais novas com as mais antigas.

Outra vantagem indiscutível é a atualização, já que ao sequenciar um service pack ou hotfix o cliente não irá baixar o pacote inteiro, mas sim apenas as atualizações. Além, claro, que ao atualizar no servidor os clientes automaticamente estarão atualizado.

QUEM TEM DIREITO AO App-V

O App-V não é vendido separadamente em formato FPP (caixinha) como outros produtos. Na versão anterior que se chama SoftGrid fazia parte do pacote MDOP que era composto por outros aplicativos.

Agora o App-V é vendido como parte do pacote Microsoft Desktop Optimization Pack, como ferramenta Microsoft Application Virtualization for Terminal Services ou para assinantes do MSDN.

INFORMAÇÕES ADICIONAIS

Hot site do produto: http://www.microsoft.com/systemcenter/appv/default.mspx

Documento de implementação com RDS/TS: App-V Remote Desktop Services.docx (119,87 kb)

Publicando e distribuindo por HTTP: http://blogs.technet.com/b/appv/archive/2010/12/02/guide-to-configuring-microsoft-app-v-to-both-publish-and-stream-via-http.aspx

Lançamento do MDOP 2010: Novidades

Hoje foi anunciado o lançamento do MDOP 2010. Para quem não conhece o pacote MDOP (Microsoft Desktop Optimization Pack) é uma série de produtos para quem tem contrato SELECT, ENTERPRISE AGREEMENT e outros de licenciamento, pago conforme o numero de licenças do Windows client e acrescentado ao contrato.

Alguns dos produtos que mais se destacam no MDOP:

MED-V: É como o "XP Mode" do Windows 7, porem centralizado. Imagine poder distribuir as VMs do XP Mode utilizando regras da empresa ao invés de instalar em maquina por maquina. Alem disso o MED-V permite que as regras de software que precisam de emulação sejam definidas e distribuidas em ambiente centralizado. Para mais detalhes veja o post http://www.marcelosincic.com.br/blog/post/MED-V-e-XP-Mode-do-Windows-7.aspx

SCDM (System Center Desktop Monitoring): Este é excelente. Fornece para desktops controles como o SCOM faz para servidores. Os gráficos que o SCDM gera são muito bons e agora na versão nova o dashboard ficou excepcional.

APP-V 4.6: Esta ai outra boa noticia, o APP-V 4.6 agora tem versão 64 bits !!!!! Isso era um problemaço, mas para entender, primeiro é necessário saber o que é o APP-V. Trata-se de um produto que virtualiza software em um servidor para os clientes. Imagine ter no servidor o Office XP, 2003 e 2007 sequenciado (instalado) e este software ser distribuido aos clientes por demanda quando clicam em um link, se a cópia em cache do cliente estiver desatualizada atualiza automaticamente. Isso é o APP-V. Mas o problema é que não havia versão para x64 e isso limitava em muito quando o cliente adotava ambientes de clientes em 64 bits, o que no ultimo ano se tornou comum. Agora você já sabe porque o APP-4.6 é um grande anuncio.

Segue o link do lançamento: http://blogs.technet.com/virtualization/archive/2010/02/23/MDOP-2010-Launches_2C00_-with-64_2D00_bit-version-of-App_2D00_V-4.6.aspx

Login