MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Palestra Windows Server 2016, Containers, Hiperconvergencia e Azure Stack em Volta Redonda

No dia 27/10 usamos o anfiteatro da CSN para falarmos sobre novas tecnologias, entre elas Container e Azure Stack.

Para quem quiser a apresentação, segue em PDF.

Obrigado CSN por ceder o espaço!

Evento CSN 27-10-17 (1)Evento CSN 27-10-17 (1)Evento CSN 27-10-17 (2)Evento CSN 27-10-17 (3)Evento CSN 27-10-17 (4)


Apresentação: 

Redução de Custos com Azure Reserved Instance

A alguns meses, em Julho, abordamos o uso de formas de licenciamento alternativas para reduzir custos com o Azure usando CPP e AHUB em http://www.marcelosincic.com.br/post/Software-Asset-Management-(SAM)-Convertendo-Licenciamento-para-Azure.aspx

O CPP (Compute Pre-Purchase) é um recurso muito bom por permitir comprar um pacote de horas para determinado tipo de instância de VMs no Azure.

Mas a Microsoft surpreendeu a algumas semanas o grupo de MVPs e time comercial com informações sobre uma nova oferta, o Reserved Instance: https://azure.microsoft.com/en-us/pricing/reserved-vm-instances/

image

Segue um resumo que montei para explicar as diferenças principais entre os modelos:

​Como é no CPP

​Como será o Reserved Instance (RI)

​Cliente compra o perfil de VM por 12 meses

​Compra pode ser por 12 ou 36 meses

​Não se compra uma VM especifica e sim um pacote de horas (744 horas) de um determinado tipo de instancia

​Compra de um perfil especifico de uma VM

​Não é possivel cancelar e fazer um upgrade do perfil da VM

​É possivel revender para outro cliente pelo portal como é na AWS, ou vender para a própria MS. Existe um deságio de ~12% que ainda será publicado

​Oferece desconto de 30 a 50%

​Oferece desconto de 40 a 70%

​É comprada por SKU e por meio de um LSP

​É adquirida pelo próprio cliente no portal, administrado por ele e debitada dos Monetary Commitment

É necessário utilizar um contrato de volume como EA ou MPSA

​Por ser baseado em Monetary Commitment, permite qualquer tipo de pagamento

​Cada SKU é de uma região (Datacenter) e não pode ser alterada

​Cliente pode mover para outras regiões pelo portal do Azure

Fique atento ao GA do Reserved Instance por utilizar o link no inicio deste artigo.

Posted: out 25 2017, 01:51 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Adquirindo e Licenciamento o Azure OMS – Operations Management Suite

Apresentamos muitas vezes ao cliente esta solução, que executada no Azure traz beneficios muito grandes para que é administrador de TI.

Já foi muito falado do OMS, originalmente chamado de System Center Advisor, depois de Log Insights (http://www.marcelosincic.com.br/post/Utilizando-o-Azure-Log-Analytics-(OMS)-e-o-SCOM-na-Mesma-Maquina.aspx e http://www.marcelosincic.com.br/post/System-Center-Advisor-Previewe28093Novidades.aspx)

Gosto muito de demonstrar as soluções de Health Check (Active Directory e SQL) e Change Log:

image

Mas muitos não entendem como é o licenciamento para se adquirir essa solução.

Quais são as possibilidades de adquirir?

Primeiro é bom lembrar os níveis básicos que um espaço de gerenciamento (como são chamados as “tenants”) podem ser:

image image
  • Free – Útil para testes pois não limita a apenas alguns dos pacotes de soluções, mas a coleta é limitada a 512kb por dia de logs e retenção de apenas 7 dias
  • Standalone – Permite coletar sem restrição de tamanho e retenção de 30 dias (pode ser customizado), não tem preço por servidor/nó e sim por storage consumido. Porem, não permite utilizar todos os pacotes de soluções, que precisam ser adquiridos em pacotes E1 ou E2
  • Standard e Premium – Permite coletar sem restrição, retenção de 365 dias e permite utilização de pacotes de soluções, dependendo do nivel escolhido
  • OMS – Este é o bundle E1 ou E2 que pode ser adquirido conforme a necessidade de pacotes, com preço por nós gerenciados e que inclui licenciamento do System Center e outros serviços

Qual dos modelos vale a pena?

Se a sua intenção é utilizar os contadores e soluções como Healthy Check e algumas analises, pode optar pelo plano Standalone onde poderá usar diversas soluções pagando apenas o tanto de log que armazenar.

Porem com o Standalone não é possivel evoluir para outras soluções, como análise de tráfego de rede e mapeamento de soluções.

Por conta dessa limitação, o ideal é ter os bundles de OMS onde poderá escolher as soluções e ainda incluir uma série de serviços e consumo já embutido, alem de todo o licenciamento System Center.

OMS pacotes E1 e E2

Sem dúvida é a melhor opção para empresas, onde você adquire serviços e pacotes com o System Center incluso (ou via add-on se já tiver) e pode utilizar outros serviços já incluidos no preço.

https://www.microsoft.com/en-us/cloud-platform/operations-management-suite-pricing

image

Como vemos na imagem acima, os bundles são compostos de pacotes de gerenciamento (imagem abaixo), serviços como Backup e Site Recovery e o licenciamento de System Center.

Isso é bem interessante quando comparamos os custos de cada um dos serviços e o que eles já incluem:

image

image

Basta comparar o custo de cada pacote de gerenciamento com o valor do E1 e E2 para notar que não vale a pena aquisição Standalone/Standard/Premium, apenas o custo do pacote de Protection/Recovery já é praticamente o valor do bundle E2.

E se eu já tenho o licenciamento de System Center ou o Windows CIS (Cloud Infrastructure Suite)?

Neste caso não precisará pagar duas vezes o System Center, pois como o E1 e E2 já incluem pode adquirir por add-on, ou seja acrescer ao pacote que já possui podendo optar por continuar renovando o licenciamento do CIS/System Center ou convertendo para OMS:

image

Pessoalmente acho bom para este caso continuar com o licenciamento do System Center/CIS, pois posso utilizar alguns nós com OMS e outros não dependendo do modelo de monitoração que desejo adotar.

Como posso estimar e comparar e decidir estes custos?

A Microsoft possui uma calculadora onde você seleciona os serviços e recebe a comparação entre os bundles OMS E1 e E2 ou aquisições standalone: http://oms-calculator-webapp.azurewebsites.net/home

image

System Center Configuration Manager (SCCM)–Atualização 1706

Liberado a duas semana, a nova atualização tem muitos novos recursos: http://go.microsoft.com/fwlink/?LinkId=854075

Alguns são importantes pois resolvem problemas e demandas anteriores mas os novos recursos tambem são de interesse:

  • Suporte ao SQL Server Always ON (apenas no modo assincrono neste release)
  • Integração com Azure AD para autenticação que permite instalar o agente para quem não é usuário em rede local
  • Aprimoramento da integração com Intune tanto para Windows 10 quanto dispositivos móveis (iOS, Android)
  • Capacidade de importar scripts (!!!) https://docs.microsoft.com/pt-br/sccm/apps/deploy-use/create-deploy-scripts
  • Suporte ao novo Windows Update for Business 1703
  • Integração com o Operations Manager Suite (OMS)

Capture

Posted: set 11 2017, 14:56 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Software Asset Management (SAM)–Convertendo Licenciamento para Azure

Este tópico é relevante no momento em que estamos de migração para Cloud Publica em muitas empresas.

Dando continuidade a série sobre SAM, vamos pular alguns outros tópicos e dar atenção a Azure. Para ver a lista de assuntos que já abordamos acesse http://www.marcelosincic.com.br/post/Software-Asset-Management-(SAM)-com-System-Center-Configuration-Manager.aspx

Atualização: Conheça o Reserved Instance no artigo http://www.marcelosincic.com.br/post/Reducao-de-Custos-com-Azure-Reserved-Instance.aspx

1 – Utilizando o Licenciamento Normal para VMs Windows (SPLA)

Ao criar maquinas virtuais no Azure já é possivel definir que o sistema operacional é Windows e pagar o licenciamento embutido como parte do serviço.

Esse modelo de licenciamento é chamado de SPLA e permite a um provedor (não existe apenas no Azure) licenciar VMs como serviços faturado ao invés do cliente comprar a licença perpétua como acontece em ambientes on-premisse.

O custo desse licenciamento é medido por comparar valores de VMs iguais com Windows e Linux em https://azure.microsoft.com/pt-br/pricing/details/virtual-machines/linux/ e https://azure.microsoft.com/pt-br/pricing/details/virtual-machines/windows/

No dia que montei esse post o valor hora de uma VM D2 v2 Linux é de U$ 0,159 e a mesma VM com Windows U$ 0,251. Ou seja uma diferença de 43% no preço da VM.

Por essa diferença de preço que temos opções de usar outras formas de licenciamento que falaremos a seguir.

2 – Utilizando AHUB (Azure Hybrid Use Benefit)

O AHUB nada mais é do que usar a sua licença já comprada em contrato com Software Assurance (SA) no Azure e assim não pagar o licenciamento SPLA.

Note porem que sua licença deve ter SA contratado, ou seja o direito de atualização e virtualização. Se não conhece o SA veja o post http://marcelosincic.com.br/post/Software-Asset-Management-(SAM)-com-System-Center-Configuration-Manager-Windows-Desktop.aspx onde temos um tópico sobre isso.

No caso de usar o AHUB a diferença de preço calculada no item anterior não existe, já que o licenciamento passa a ser feito em contratação em Enterprise Agreement, MPSA ou mesmo OPEN. O tipo de contrato depende do valor e é adquirido junto a um parceiro de licenciamento Microsoft (LSP).

image

A Microsoft já disponibiliza os templates para VMs AHUB mas tambem é possivel usar PowerShell com o parametro –licencetype. No caso se usar o portal, basta criar a VM informando isso:

image

Porém é importante ressaltar que o AHUB é uma maquina Windows criada com a camada de preço do Linux e não é possivel fazer a alteração pelo portal. Ou seja, será necessário recriar a VM caso ela já exista no modelo normal.

Claro que existem formas mais fáceis:

  1. Deleta a VM, mas não delete o disco
  2. Crie uma nova VM como AHUB
  3. Anexe o disco da VM que foi deletada

3 – Utilizando CPP (Compute Pre-Purchase)

O CPP é um velho conhecido de quem usa AWS, com o nome de RI (Reserved Instance), mas com uma diferença. Veja o link a seguir, mas ele não tem muitos detalhes: https://azure.microsoft.com/pt-br/overview/azure-for-microsoft-software/faq/

Enquanto no AWS o cliente compra uma VM de determinado tipo/camada, no CPP do Azure o cliente compra horas de computação de determinado tipo/camada de VM, seguindo algumas regras:

  • Equivalem a compra de 744 horas de um deterninado tipo de VM
  • São compradas por 12 meses independente do aniversário do contrato (não tem pró-rata)
  • Não são vinculadas a uma VM especifica, funciona como um abatimento nas horas totais
  • Não podem ser utilizadas ou realocadas para outros tipos de VM como se fosse proporcional
  • É paga upfront, ou seja o valor de 12 meses

A redução de custo é significativa, mas o valor depende do tipo de contrato que o cliente possui e o nivel de desconto, em alguns casos chega a 60% para clientes EA.

Para entender o cáculo, vamos usar uma tabela simples de custo HIPOTÉTICO:

VM Quantidade Horas Total Valor Normal Comprado em CPP Pago em Commitment Economia
D2 v2 5 3200 3200 horas a U$ 0,251

U$ 803,20
3 VMs equivalente a 2.232 horas a U$0,16

U$ 357,12
Saldo de 968 horas

U$ 242,96
U$ 203,12

Mais uma vez é importante ressaltar que essas VMs não podem ser atribuidas a outro tipo, o CPP cobre por 12 meses 744 horas mensais de um deterninado tipo de VM.

Porem, alguns clientes utilizam o CPP para upgrade uma vez que a redução de custo permite com o mesmo valor já provisionado para Azure subir de 2 a 3 camadas as VMs já existentes!

4 – Utilizando CPP + AHUB

É possivel combinar o CPP com AHUB?     SIM!!!

Levando em conta que o cálculo acima do CPP foi hipotético, usamos o valor referencia de U$ 0,251 para VMs Windows no CPP com valor de U$ 0,16, ou seja uma VM com o licenciamento Windows SPLA.

Se juntar o desconto que o AHUB proporcional, você poderá comprar VMs Linux e usar o licenciamento que já possui em contrato, como exemplo o valor da mesma VM D2 v2 de U$ 0,159 Linux cairia para U$ 0,12 com Windows utilizando o licenciamento existente.

 

CONCLUSÃO

Com o CPP você pode economizar de 25 a 60% sem ter que fazer nenhum esforço, e com o AHUB você pode criar VMs muito mais em conta utilizando o contrato existente com Windows.

Claro que o CPP é muito mais atrativo, uma vez que ele não exige mudança no template da VM, mas tanto o AHUB quanto o CPP precisam ser incluidos em contratos de licenciamento.

Agora divirta-se, consulte seu parceiro de licenciamento e veja quanto poderá economizar com estas duas opções de licenças!!!

Posted: jul 18 2017, 15:48 by msincic | Comentários (2) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Login
Marcelo de Moraes Sincic | Windows 7
MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Software Asset Management (SAM) com System Center Configuration Manager–Windows Desktop e Office (Part V)

Neste quinto artigo sobre como utilizar o SCCM para falar de SAM (Software Asset Management) vamos iniciar a leitura de relatórios envolvendo os dados de Windows desktops (client) e Office.

Para lembrar da nossa pauta e a agenda dos itens, use o link de introdução: http://www.marcelosincic.com.br/post/Software-Asset-Management-(SAM)-com-System-Center-Configuration-Manager.aspx

Introdução

O licenciamento que envolve o Windows cliente e o Office não são difíceis de serem interpretados. Basicamente o cálculo é feito por somar as versões e edições instaladas e comparar com o licenciamento que a corporação possui.

No caso de licenciamento para clientes é mais importante entendermos os diferentes tipos de licenciamento para os produtos envolvidos, para não cair nas “pegadinhas”.

 

Windows

OEM

O licenciamento do Windows normalmente não é comprado em contrato, pois a maioria compram os computadores com a licença de OEM. A maior dificuldade em caso de uma auditoria ou a gestão de ativos de software para OEM é o fato de ter que manter todas as notas fiscais. E se a licença for FPP (caixinha) é necessário ter colado a etiqueta na maquina (COA) e guardar a caixinha enquanto aquela maquina estiver com o SO comprado.

Referencia: http://windows.microsoft.com/pt-br/windows/genuine/business#T1=tab01 

E quando o cliente não possui as notas fiscais ou a caixinha? 

Neste caso é necessário pagar o licenciamento GGS, GGK ou GGWA (regularização) para cada máquinas que não tenha a nota fiscal. O valor da licença de regularização é muito similar a uma licença FPP mas tem possibilidade de contrato por volume facilitando o controle já que não precisa ter a etiqueta colada na maquina.

Também é possível comprar o licenciamento do Windows por meio de contratos, por exemplo no EA (Enterprise Agreement), EAS (Enterprise Agreement Subscription), MPSA (Microsoft Products and Services Agreement) ou em licenciamento online de Office 365 com o ECS (Enterprise Cloud Suite).

Observação: Em futuros artigos iremos abordar os diferentes tipos de contratos https://www.microsoft.com/en-us/Licensing/licensing-programs/enterprise.aspx

Nos casos de contrato EA, EAS e MPSA o licenciamento pode ser os de regularização já citados ou utilizar um bundle de licenciamento chamado ProDesk que incluir Windows, Office e CoreCal a um valor menor quando comprados separadamente.

Windows Enterprise e VDA

No caso de licenciamento e o ProDesk pode-se adquirir o Windows Enterprise que possui algumas características importantes, por exemplo o MDOP que é um conjunto de ferramentas (App-V, MBAM - Bitlocker Manager, AGPM) que são garantidos pelo SA (Software Assurance).

O VDA (Virtual Desktop) são as maquinas virtuais que existem no ambiente. Não podemos pegar o licenciamento de maquinas cliente e alocar para uma VM, exceto no caso de Windows Enterprise. Nos outros casos é necessário comprar uma licença VDA para cada VM de Windows Client que for inventariada.

Referencia do Enterprise com SA: https://www.microsoft.com/en-us/Licensing/licensing-programs/software-assurance-by-product.aspx#tab=2

Upgrade para Windows 10 (29/Julho/2016)

O Upgrade para Windows 10 pode ser feito até 29/Julho em qualquer uma das modalidades de compra, principalmente OEM. Os clientes pode fazer o upgrade e continuar licenciado.

Qual a diferença de alguém que fizer o upgrade após a data programada?

A ativação automática do Windows 10 só é possível com chaves licenciadas e OEM até esta data. Caso não faça o upgrade no prazo, as maquinas não conseguiram ativar e será necessário comprar uma nova licença ou retornar a anterior.

Direito de Downgrade

A página https://www.microsoft.com/pt-br/licensing/learn-more/brief-downgrade-rights.aspx traz o link para download de detalhes dos direitos de downgrade do SO:

image

 

Microsoft Office

Assim como Windows o Office pode ser comprado em OEM, FPP, Get Genuine (GG) e contratos de volume, valendo as mesmas regras anteriores.

Para não cair na repetição, vamos abordar o que temos de diferente em relação do Windows Client.

Direitos de Downgrade

O mesmo documento já especificado no Windows determina o direito de downgrade para o Office:

image

O direito de downgrade vale apenas para a versão e não para a edição, ou seja posso utilizar o Office 2010 Standard se tenho a versão 2013 Standard, mas não posso comprar a Professional e utilizar a Standard.

Office 365 Online

As diversas edições do Office 365 online não servem para licenciar as versões instaladas nos desktops.

É importante que no caso de clientes que possuem licenças de Office para legalizar e compraram o Office 365 ProPlus (separado ou como parte do ECS, E3 ou E5) que sejam desinstaladas as versões full.

O motivo é que as versões full de Office são ativadas com uma chave serial e são perpetuas, enquanto as versões Office 365 são validadas com a conta do usuário Microsoft ID e quando a assinatura expirar param de funcionar como seria o correto. No caso de clientes que tentaram comprar a versão online e estão utilizando a full, não ocorrerá a expiração e por isso é necessário o upgrade.

 

Licenciamento por Device ou User

O Office e Windows permitem os dois tipos de licenciamento, sendo o mais correto definido pelo perfil de uso.

No caso da maioria dos clientes utilizamos Device já que contamos as maquinas e atribuímos uma licença para cada computador. Porem, no caso de ambiente com Office 365 o licenciamento é por usuário e precisa-se entender a diferença e como contar.

Para licenciamento por usuário precisamos contar quantos usuários no AD não são administrativos ou maquinas e comprar o licenciamento.

O licenciamento por usuário tem vantagem no caso do ambiente em que um mesmo usuário utiliza dispositivos móveis para acessar a sua conta de correio, já que inclui até 5 dispositivos para cada usuário.

O licenciamento por dispositivo tem a vantagem de não ser necessário controlar usuários e podermos ter maquinas compartilhadas, já que na grande parte dos ambiente existem mais usuários que máquinas.

Manter ambientes com os dois tipos de licenciamento (Device e User) é possível mas complexo de controlar. Precisa-se neste caso contar e ter controlado qual maquina tem a licença de dispositivo e os usuários que estão utilizando licença por usuário.

Para saber quantas licenças de usuário teriam que ser compradas caso este seja o volume esperado, pode-se usar o relatório do Asset Intelligence que vimos nos artigos anteriores, principalmente os que indicam maquinas compartilhadas (Shared Computer) e o que indica o usuário primário para cada computador.

 

Conclusão

O licenciamento de Windows e Office não são tão complexos, mas exigem atenção pelo volume, principalmente o Office Professional que tem um custo elevado.

Referencia Geral: https://www.microsoft.com/en-us/Licensing/product-licensing/windows10.aspx

Posted: jun 05 2016, 18:45 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Utilizando Robocopy para Sincronizar Dados do Windows 2012 com NAS (Linux)

Esta semana precisei migrar dados de um servidor Linux para Windows e passei por um problema que já conhecia, onde em todas as execuções o Robocopy copia novamente os arquivos não alterados com a situação “Modified” ou “Never”.

Possuo um Netgear ReadyNAS Duo para executar VMs e backup de arquivos e na época da compra montei um script para sincronizar dados entre o notebook e o NAS que utiliza ext3, compativel com FAT32.

O problema é que o FAT32 utiliza timestamp nos arquivos com precisão de 2 milisegundos diferentes do NTFS, como mostra o print abaixo. Note que o arquivo da esquerda é o local (S:) e o da direita do NAS e veja a diferença nas tags “Created” e “Modified”:

Print

Para resolver isso existe uma solução muito simples: acrescente o parametro /FFT no final do comando.

Agora a sincronização ocorrerá com sucesso, ainda irá mostrar a mensagem “Changed” nos arquivos na saida do comando, mas ele não irá mais copiar estes arquivos não alterados.

Fonte: http://technet.microsoft.com/pt-br/library/cc733145%28v=ws.10%29.aspx

Posted: out 16 2012, 18:59 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Microsoft Assessment and Deployment Kit–Novo Pacote WAIK

A maioria dos profissionais de TI que utilizam Microsoft já usou o ACT para fazer assessment e inventário de ambientes, MDT para distribuir imagens pela rede utilizando PXE, USMT para fazer a migração de perfis com o LoadState e ScanState e outras funcionalidades que eram distribuidas entre o ACT e o WAIK.

Agora com o lançamento das versões Beta do Windows 8 Client e Server a Microsoft criou o novo WAIK que leva o nome de Microsoft ADK ou Assessment and Deployment Kit.

Como o proprio nome diz a principal alteração foi a unificação das ferramentas em um unico gerenciador de instalação, que antes era dividido em 3 diferentes downloads necessários (ACT, WAIK e SQL Server Express).

A instalação pode ser feita de duas maneiras com o instalador, disponivel no link http://www.microsoft.com/download/en/details.aspx?displaylang=en&id=28997

  1. Instalação online onde baixamos o instalador, escolhemos as ferramentas e o download é feito conforme a necessidade ou
  2. Instalação offline onde baixamos todos os instaladores para um diretório especifico e podemos fazer a instalação sem a necessidade de conexão com internet.

Instalação Online

Esta instalação é boa para ambientes onde iremos instalar uma unica vez com menor uso de link de internet pois a instalação e download ocorre apenas das features selecionadas, como mostra a imagem abaixo:

ADKToolkit

Note que apesar de termos uso de 3,8 GB isso não quer dizer que o download seja total, já que são baixados os instaladores que depois serão expandidos e gerados dados de cada um, mas o uso de link é considerável.

Instalação Offline

A instalação offline é muito melhor para quem irá fazer um download noturno para proceder com a instalação posteriormente e para quem irá utilizar o pacote outras vezes.

A donwload é selecionado na primeira tela do ADK onde escolhemos a opção offline e depois selecionamos o diretório onde será copiados os arquivos baixados, como a imagem abaixo:

ADK Offline

Note que neste caso o espaço necessário representa o total de downloads, já que estamos baixando os arquivos de instalação.

Neste caso foi selecionado todas as ferramentas como na imagem anteriormente mostradas das funcionalidades, mas é possivel escolher apenas as desejadas.

Será criada a estrutura de arquivos abaixo, onde o adksetup.exe é o instalador das funcionalides, como mostra imagen abaixo:

image

Ao chamar o executável de instalação offline será solicitado o diretório onde deverá ser feita a instalação, aceitação do contrato e seleção das funcionalidades a serem instaladas, sendo que já irá estar previamente selecionado os pacotes que foram anteriormente baixados.

Nos próximos dias estarei testando as ferramentas do AIK e postando aqui as novas funcionalidades e usos desta importante ferramenta para migração de Winodws XP para Windows 7.

Posted: mar 26 2012, 10:54 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Exame 70-669–Microsoft Desktop Virtualization

Hoje passei no exame 70-669 que abrange as tecnologias de virtualização de desktops da Microsoft. Ele é o segundo de três exames necessários para o MCITP em Virtualização.

image

Vou detalhar as 4 principais tecnologias que são abordadas e alguns exemplos de perguntas. Obviamente que meu exame teve uma parte das perguntas possiveis e não vou passar exatamente os cenários nem as opções.

Seguem materiais de estudos obrigatórios para este exame:

APP-V (Application Virtualization)

Este é a tecnologia que a Microsoft adquiriu a alguns anos e se chamava SoftGrid. O conceito deste tipo de tecnologia é muito interessante, mas apesar de levar o nome de virtualização é bem diferente dos modelos que conhecemos no Hyper-V e MED-V. É formado pelo App-V Manager e o App-V Sequencer.

O trabalho começa ao “sequenciar” uma aplicação e criar um pacote. Este processo nada mais é do que um monitor que ao ser iniciado passa a copiar tudo o que acontecer em um desktop. Após iniciá-lo fazemos a instalação de um software e ao final temos o pacote (package) pronto com todos os arquivos, chaves de registro e atalhos.

Exemplos de perguntas sobre o App-V:

  • Um pacote ficou corrompido, qual a melhor forma de resolver?
  • Como você faria para distribuir um pacote sem ter o App-V Manager no ambiente?
  • Qual a ferramenta para garantir atualizações no pacote sem redistribui-lo?

Portal TechNet: http://technet.microsoft.com/en-us/appvirtualization/bb508934 e http://technet.microsoft.com/en-us/appvirtualization/cc843994

MED-D (Enterprise Desktop Virtualization)

O MED-V nada mais é do que um automatizador e gerenciador de imagens para o Windows Virtual PC do Windows 7, e é formado pelo gerenciador e pelo MED-V Workspace que fica no desktop.

Esta ferramenta irá permitir que as imagens de Windows XP criadas com aplicativos sejam distribuidas entre os usuarios. Por exemplo, imagine que duas determinadas aplicações não executem no Windows 7 e seja necessário usar o XP Mode. O MED-V ajudará a distribuir, atualizar e controlar estas VMs.

Exemplos de perguntas sobre o MED-V:

  • Como fazer para converter o MED-V já existente para Cluster?
  • Como otimizar a distribuição de imagens do MED-V pela rede?
  • Como evitar que o MED-V consuma muito espaço em disco no servidor?

Portal TechNet: http://technet.microsoft.com/en-us/windows/bb899442 e http://technet.microsoft.com/pt-br/windows/gg276319.aspx

RDS (Remote Desktop Services)

O RDS é o Terminal Services do Windows 2008 e dispensa grandes explicações. Porem, é importante lembrar que ele é formado por vários componentes: RD Gateway para garantir acesso pela internet, RD Web Access para criar o portal de aplicações pelo browser, RD Broker para distribuir e gerenciar afinidade entre o farm, RD Session para manter os perfis dos usuários.

É importante lembrar muito bem os papeis e como cada um deles se relaciona com outro e qual a melhor forma de trabalhar com estes papeis em uma empresa.

Exemplos de perguntas sobre RDS:

  • Dado um quadro de servidores com várias funções, qual deles seria colocado no Conexão da Area de Trabalho?
  • Como garantir que uma impressora do usuário não seja redirecionada para a sessão remota?
  • Como impedir que um pendrive seja mapeado na sessão remota?
  • Quais portas e serviços adicionais precisam estar habilitados entre os papeis do RDS?

Portal TechNet: http://technet.microsoft.com/en-us/library/cc770412.aspx e http://technet.microsoft.com/en-us/edge/ff945046

VDI (Virtual Desktop Infrastructure)

Esta tecnologia pode ser facilmente explicada como uma junção do RDS com o Hyper-V para criar ambientes virtuais de desktop. Você pode criar várias VMs de Windows 7 no Hyper-V e pelo AD Users and Computers vincular os usuários as VMs quando eles acessarem pelo RDS.

Esta foi a parte do exame que teve menos perguntas, já que o processo de VDI da Microsoft é extremamente simples de ser criado e configurado. Também não é facil encontrar documentação sobre isso, porem no Edge existem muitos vídeos.

Exemplos de perguntas sobre VDI:

  • Como fazer o licenciamento “per-user” e “per-device”, revogar de um ou outro e implementar?
  • Qual a melhor forma de transferir dados de uma VM para outra?
  • Como fazer com que um atalho apareça para todos os usuários?

Portal TechNet: http://technet.microsoft.com/en-us/edge/ff945049

É isso ai, bom exame e me conte se passou!!!

Posted: out 21 2011, 19:50 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Erro no Microsoft ACT 5.6 com o Windows 7 e 2008 R2 SP1

Utilizamos para Assessment em clientes o ACT 5.6 e é uma ferramenta muito boa para gerar dados de aplicações.

Porem, em diversos casos já me deparei com maquinas no ambiente Windows 7 e Windows 2008 R2 com o Service Pack 1 instalado e o ACT não conseguir realizar os inventários.

SINTOMA

O diretório de coleta recebe os arquivos mas o ACT move todos para a pasta Unprocessed ou Failed indicando erro no tratamento.

Depois de um tempo o serviço ACT Collector cai e loga no event viewer os erros com Event ID 0 com a mensagem:

INSERT statement conflicted with the FOREIGN KEY constraint "Logical_Machine_OS_ForeignKey". The conflict occurred in database "ACT", table "dbo.OS", column 'osID'.

CAUSA

No banco de dados do ACT existe uma tabela com todos os Sistemas Operacionais e não consta o SP1 como versão válida, e este é o problema de chave estrangeira.

SOLUÇÃO

É necessário acrescentar duas linhas na tabela OS do banco de dados do ACT:

Abra o command prompt e digite SQLCMD –S <servidor/instancia>

CMD-SQL

Insira os comando, utilizando Copy-Paste:

INSERT INTO [dbo].[OS] ([osID], [osName],[majorVersion],[minorVersion],[buildNumber],[servicePackName],[servicePackMajor],[servicePackMinor],[csdVersion],[productType],[suite],[publishedDate])
VALUES (N'6.1.1',N'Windows 7 SP1',6,1,0,N'Service Pack 1',1,0,N'Service Pack 1',0,0,'2011-02-22')
GO

INSERT INTO [dbo].[OS] ([osID],[osName],[majorVersion],[minorVersion],[buildNumber],[servicePackName],[servicePackMajor],[servicePackMinor],[csdVersion],[productType],[suite],[publishedDate])
VALUES (N'6.1.1.SRV',N'Windows Server 2008 R2 SP1',6,1,0,N'Service Pack 1',1,0,N'Service Pack 1',3,0,'2011-02-22')
GO

Agora mova os arquivos que estão na pasta Failed ou Unprocessed para a raiz do diretório de coleta e os arquivos serão processados com sucesso!

Posted: set 06 2011, 17:00 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Outros | Windows 2008 | Windows 7
Login