MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Novo Modelo de Updates do SCCM 2016

Como já havia escrito a algum tempo, uma das mais interessantes novidades do System Center 2016 é a capacidade dos produtos em se atualizarem automaticamente.

No System Center Operations Manager (SCOM) e Service Manager (SCSM) são so Management Packs e no System Center Configuration Manager (SCCM) a atualização inclui os binários do servidor, agente e console.

 

Atualização Automática do SCCM

Pelo console do SCCM acesse Administration –> Cloud Services –> Updates and Servicing e será possivel ver a lista de atualizações, que no caso do SCCM são os Builds, uma vez que ele não possui mais versões.

Clique sobre a versão que está disponivel, o SCCM irá manter o histórico das atualizações já realizadas.

Capturar

Ao selecionar a atualização é possivel ver os novos recursos que a atualização irá fazer, a lista de Knowlegde Bases:

Capturar0

Um item interessante ao iniciar atualização é que podemos ignorar os pré-requisitos como pode ser visto na tela abaixo no checkbox para ‘forçar” a atualização.

Claro que é importante deixar que os requisitos sejam testados, instalar uma atualização que não está com o ambiente completo pode gerar problemas e indisponibilidade permanente.

Capturar1

Outro item importante é a possibilidade de escolher as features que serão incluidas no SCCM com a atualização. Por exemplo, o Apple Volume Purchase é instalado nesse momento como se fossem as features pelo console em “Site Roles and Services”.

Caso não opte por instalar as features no momento da instalação da atualização, é possivel executar novamente mais tarde pelo mesmo caminho:

Capturar2

Como as atualizações “carregam” as novas features podemos escolher quais iremos habilitar como em outras configurações de roles:

Capturar3

Por fim após o update o SCCM poderá pedir para reiniciar o console e finalizar a instalação:

Capturar4

 

Conclusão

Realmente é um recurso excelente ter as atualizações a mão de forma tão simples e confiável.

Esse recurso tornará mais fácil manter o SCCM e outros produtos System Center saudáveis com as ultimas atualizações.

Skype Meeting Broadcast–Solução para Reuniões e Treinamento Online

Um dos recursos liberados para os clientes que tem Skype For Business é o Broadcast, que permite montar sessões e eventos online para até 10 mil pessoas, com acesso anônimo, restrito, moderador e outros recursos em uma interface web sem plug-ins!

Esse recurso funciona como o Webex, com painel de perguntas e respostas, áudio e vídeo. Porem, como o cliente do apresentador é o Skype For Business pode-se compartilhar desde um ppt até um desktop inteiro.

O melhor disso?   É um recurso gratuito para todos os clientes Enterprise com Office 365 E1, E3, E5 ou Skype For Business Plan 2!!!!

Importante: É necessário habilitar o recurso no seu tenant, que pode ser feito utilizando PowerShell https://support.office.com/en-us/article/Enable-Skype-Meeting-Broadcast-5299cce0-850e-42dc-b6ae-2d0ee775c4a9

 

Como Montar uma Sessão ou Evento

Acesse o site https://broadcast.skype.com com a sua conta corporativa e você terá acesso ao calendário com os eventos programados:

capture20160810001204686

Para criar um novo evento clique no botão “Nova Reunião” e insira os dados necessários:

  • Membros: São os usuários que irão ingressar com o Skype For Business e podem tanto fazer apresentação simultânea como atuarem como moderadores
  • Participantes: Quem poderá assistir, se anonimo basta repassar o link gerado. Se for seguro será necessário informar a lista e podem ser usuários externos. Se escolher Toda empresa será validado com o Azure AD
  • Gravaçao de vídeo: Ao selecionar esta opção a reunião é gravada e fica disponivel no portal acima. Porem, se escolher a opção “Disponibilizar…” os usuários poderá assistir ao evento com o link da inscrição, como um Replay

capture20160810001238469

Após criado o agendamento é possivel visualizar detalhes como o link e criar um convite para ser distribuido:

capture20160810001313233

Mas é tela “Configurações da página de participantes” onde temos alguns itens interessantes:

capture20160810001358751

  • Solução de problemas e suporte: O link aparece na reunião para os usuários clicarem se tiverem problemas. Não é interativo e sim uma página padrão da Microsoft que pode ser substituída por uma página personalizada
  • Link Personalizado: Como o link default possui códigos de sessão, é possível tanto encurtar com sites específicos como o http://aka.ms ou o http://bit.ly ou ainda digitar o link que agradar, lembrando que sempre irá levar o nome do tenant
  • Aplicativo do painel direito ou esquerdo: Podemos escolher qual aplicação irá aparecer para os usuários, como Yammer, Pulse ou o mais importante de todos, o Painel de Perguntas e Respostas!

capture20160810001410690

 

Iniciando e Participando da Sessão

Ao utilizar o link fornecido, seja o customizado ou default, será apresentada a tela abaixo:

capture20160810001513280

Quando clicar em “Entrar como membro da equipe do evento” será aberto o Skype For Business já que ele é onde podemos utilizar voz, vídeo e compartilhamento, além do quadro de chat que será o P&R visto pelos participantes.

Ao clicar como “Participar do evento” o usuário irá visualizar a tela ou conteúdo compartilhado pelos membros do time junto com o painel de resposta que é a configuração mais comum:

capture20160810001620880

 

Conclusão

Temos uma ferramenta excelente em mãos, muitos hoje utilizam serviços pagos e não sabem os planos de Office 365 que hoje disponibilizam este recurso gratuitamente!

 

Referencia: https://technet.microsoft.com/en-us/library/mt631189.aspx e https://support.office.com/en-us/article/What-is-a-Skype-Meeting-Broadcast-c472c76b-21f1-4e4b-ab58-329a6c33757d

Posted: ago 17 2016, 13:50 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Microsoft Azure Stack - Porque Necessitará de Hardware Homologado

Como já é esperado por todos os profissionais de TI MIcrosoft, o lançamento do Azure Stack é aguardado com grande expectativa. O lançamento estava sendo esperado junto com o Windows 2016, mas agora foi adiado para o meio do próximo ano.

Basicamente, o Azure Stack é a mesma estrutura do Azure, mas para ambientes on-premisse com o novo portal.

A Microsoft já teve esse produto no passado como CPS by Dell (Cloud Platform System) que era um rack de servidores já com System Center e o Windows Azure Pack configurados para fornecer soluções de cloud "dentro de casa".
https://www.microsoft.com/en-us/cloud-platform/cloud-platform-system

A evolução do produto foi evidente, o novo portal do Azure comparado ao portal anterior com seus novos recursos e features foi o que nos fez esperar tão ansiosamente o Azure Stack.

O que mudou agora?

Assim como no CPS, o Azure Stack irá integrar updates de software e hardware e capacidades avançadas de biling, monitoração e balanceamento de recursos.

Adicionalmente, os potenciais usuários desse tipo de produto são empresas que precisam de modelos cloud e Datacenters comerciais.

Sendo assim, não é possível rodar o Azure Stack em qualquer hardware e garantir a criticidade do ambiente com SLA de 99,95% que é o desejado para este tipo de ambiente.

Uma vantagem do Azure Stack sobre o CPS é que o CPS era um produto Microsoft By Dell e o Azure Stack permitirá que qualquer fabricante homologue o hardware!

Essa não é uma mudança de rumo

Apesar do Azure Stack ter sido publicamente liberado, sempre se soube que ele exigiria um hardware mais "pesado" e que este tipo de solução necessita o uso de hardwares homologados.

Todos que já trabalham com soluções de Datacenter sabem que modelos como o CPS da Microsoft e o VCE da VMWare+Citrix+EMS são essenciais para garantir que todos os recursos de servidores, storages e networking interajam entre si sem queda de performance, perda de recurso ou incompatibilidades.

 

Enfim, o Azure Stack será um grande lançamento e uma enorme evolução no modelo de nuvem privada da Microsoft, mas não espere executá-lo naquele servidor que você tem em casa  ;-)

http://www.computerworld.com/article/3106743/cloud-computing/heres-why-azure-stack-will-only-run-on-certain-hardware.html
http://windowsitpro.com/hybrid-cloud/microsoft-s-azure-pack-delayed-allow-partners-time-certify-hardware

Windows Defender ATP–Entenda o Novo Produto

Parte dos novos recursos do Windows 10 é a capacidade de detalhamento na segurança e integração com recursos do Microsoft DCU (Digital Crime Unit), que é a unidade da Microsoft que trabalha com o departamento de defesa para gerar e identificar ataques ao redor do mundo (https://blogs.windows.com/windowsexperience/2016/03/01/announcing-windows-defender-advanced-threat-protection/).

Tipos de Proteção Disponiveis

Em geral os antivírus são baseados em DAT que são arquivos com assinaturas de vírus e conseguem identificar programas que tenham atividades ou parte destes códigos considerados perigosos. Nessa categoria estão todos os antivírus atuais, o que inclui o Windows Defender.

Já os sistemas de proteção avançados contem com análise comportamental interna e externa, ou seja, eles identificam potenciais ameaças por comportamentos como fazem alguns produtos da Symantec e McAfee, que identifica maquinas enviando pacotes para outras maquinas, logins com força bruta, etc.

Já os sistemas de proteção comportamental com análise externa são produtos bem diferentes. Eles analisam comportamentos de maquinas no ambiente e comunicações externas. Com isso é possível identificar:

  • Um grupo de maquinas recebendo pacotes de uma determinada maquina com conteúdo suspeito
  • Pacotes oriundos de países onde o ataque de phishing e similares são comuns
  • Pacotes oriundos de maquinas já identificadas como “zumbi”

Ou seja, com base na análise do próprio ambiente e de comportamento de hackers, é possível identificar que determinado hacker está tentando invadir uma empresa ao analisas que este hacker está enviando pacotes para a rede da empresa alvo.

 

O que é o ATA e o ATP

Nos produtos Microsoft esse produto é o ATA (Advanced Thread Analisys) que trabalha no Active Directory e logins, e o ATP (Advanced Thread Protection) que trabalha com Machine Learning (análise de dados) sobre os logs das maquinas individuais.

Na prática o Windows Defender ATP trabalha com o mesmo log que o Windows Defender, mas online e com base nas análises e dados do DCU. Com isso é possível identificar ameaças que não são encontradas nos tradicionais DAT ou com base apenas em uma única maquina que é a forma como os antivírus tradicionais trabalham.

O ATA é parte do EMS (Enterprise Mobility Suite), mas pode ser adquirido a parte: https://www.microsoft.com/pt-br/server-cloud/products/advanced-threat-analytics/overview.aspx

O ATP ainda está em preview com acesso por solicitação: https://www.microsoft.com/en-us/WindowsForBusiness/windows-atp

 

Overview do ATP

Como já possuo acesso ao ATP, vamos ver como ele funciona. Para pedir esse acesso, entre na página acima e complete com seus dados. É possível incluir maquinas de seu ambiente, mas o sistema gera algumas maquinas com vírus e problemas para testes automaticamente. Note nas telas abaixo que o usuário utilizado é gerado pela Microsoft para os testes.

Ao receber o acesso, o primeiro passo é indicar tempo de retenção e perfil da empresa que serve para elaborar threads por tipo de segmento:

capture20160724155740716

Na sequencia geramos o pacote ou o script para distribuição das configurações. Note que é possível criar os pacotes para distribuição por GPO, SCCM, Intune ou Local que é o que utilizarei nos meus testes:

capture20160724155906768

O passo seguinte é baixar o pacote, no meu caso o Local Script:

capture20160724155940968

O script contem um arquivo CMD para ser executado manualmente nas maquinas que desejo que o log do Defender seja enviado para o ATP. Esse script cria uma chave no registro para indicar o meu tenant e ativar o ATP:

Capturar

A partir de agora as suas maquinas passarão a enviar dados para o ATP em algumas horas.

No caso do meu teste, posso utilizar os dados da maquina que a Microsoft gera com testes e ver os alertas e o dashboard. A primeira tela é o Dashboard que indica o comportamento geral no ambiente monitorado:

capture20160724161031396

Neste caso não tenho alertas gerados nos últimos 30 dias, mas tenho os de criação do tenant para demonstrar como utilizar o gerenciamento de alertas:

capture20160724155810843

Cada alerta pode ser ignorado, marcado como resolvido ou suprimido em todo o tenant ou apenas para esta maquina específica:

capture20160724155833547

 

Conclusão

Este tipo de análise dos dados é essencial para a segurança da corporação. Em breve disponível como serviço no Azure, o ATP é uma nova forma de analisar e garantir seu ambiente.

Utilizando o Azure Log Analytics (OMS) e o SCOM na Mesma Maquina

Para utilizar o Log Analytics, antigo Operational Insights, junto com o System Center Operations Manager é possível fazer isso pelo console do próprio SCOM.

Essa forma de integração já em Março/2014: http://www.marcelosincic.com.br/post/Integrando-o-SCOM-ao-System-Center-Advisor.aspx

Apesar de ter alterado o nome de System Center Advisor, depois para Operational Insights e agora Log Analytics, o processo de integração com o SCOM se manteve o mesmo.

Porem a uma limitação no processo de integração do SCOM, pois ele só permite uma conta de OMS/Log Analytics por organização. Em muitos casos é necessário usar mais de uma conta, por exemplo:

  • Provedores de serviço e CSC em que cada cliente tem uma conta diferente no Azure
  • Quando utilizamos múltiplas assinaturas para monitorar um mesmo ambiente físico
  • Quando uma das contas é beneficio de Visual Studio com créditos limitados e desejamos separar os servidores em contas diferentes

Nestes casos podemos utilizar os dois métodos os mesmo tempo, instalar o agente do SCOM e não vincular a uma conta do Log Analytics e fazer o processo apenas nas maquinas desejadas.

Para isso, o primeiro passo é abrir o Log Analytics e copiar o Workspace ID e o Primary Key. Veja no exemplo abaixo que já tenho meu SCOM integrado ao Log Analytics.

capture20160706181016883

O passo seguinte é ir até a maquina que deseja monitorar e abrir o agente de monitoração do SCOM (Microsoft Monitoring Agent):

capture20160706180916785

Ao abrir as configurações do agente note a aba Azure Operational Insigths (nome anterior a Log Analytics). Veja nesse print que já tenho a maquina sendo reportada ao SCOM:

capture20160706180926742

Insira os dados da sua conta do Log Analytics e pronto, agora é possível ter a monitoração com várias contas ou individual:

capture20160706180935405

Agora os meus dados de Active Directory que antes não estavam sendo populados passam a estar devidamente preenchidos e monitorados:

capture20160706180955111

Login
Marcelo de Moraes Sincic | All posts tagged 'exchange 2010'
MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

WMF 3.0 Causa Problemas com Exchange e SCCM

Em um post anterior comentei que para administrar um servidor Windows 2008 R2 com o Server Manager do Windows 2012 (http://www.marcelosincic.com.br/blog/post/Monitorando-Servidores-Windows-2008-R2-com-o-Windows-2012-Server-Manager.aspx) bastava instalar o Windows Manager Framework 3.0 (WMF 3.0).

Recentemente o WMF 3.0 passou a ser oferecido como opcional no Windows Update.

Porem, agora surgem avisos de que ele causa alguns comportamentos indesejados no Exchange 2007/2010 e SCCM 2012, com isso é bom verificar se o produto instalado no servidor será afetado. Os dois produtos estão confirmados, mas existem muitos relatos em foruns de problemas com scripts para SharePoint e .NET

Ou seja, pelo que é possivel entender o WMF 3.0 afeta o funcionamento do IIS e aplicações que utilizam o IIS e .NET ficam comprometidas.

Windows Management Framework 3.0 on Exchange 2007 and Exchange 2010

Configuration Manager Management Points collocated with clients fail after installing Windows Management Framework 3.0 and running Client Health Evaluation

Novo MCM para Exchange 2010

A Microsoft anunciou a alguns dias um modelo híbrido, diminuindo a estada em Redmond de 15 para 5 dias, sendo 10 dias com leitura de material e acesso de 11 semanas ao ambiente virtual para laboratórios, ao invés de apenas os 18 dias do treinamento.

Porem, diferente do MCM de SQL Server 2008 (http://bit.ly/o0C9DB) que passou a ser remoto, o MCM de Exchange 2010 exige a viagem a sede da Microsoft, mas os custos ficam reduzidos em hotel. Porem, para quem é de um pais distante como o Brasil o custo ainda é alto por conta da viagem até Seattle, mas se torna muito mais barato do que apagar 12 dias de hotel (2 semanas + final de semana) que não sai por menos de U$ 1.500

Para quem pretende tentar o MCM a partir de 2012, segue o link com as mudanças e com o site de registro http://blogs.technet.com/b/themasterblog/archive/2011/08/05/new-delivery-model-for-sharepoint-2010-mcm-available-in-january-2012.aspx

Posted: ago 18 2011, 17:30 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

O que é e como calcular IOPS (Exchange, SQL, SharePoint, etc)?

Esta pergunta é frequente, principalmente porque como consultor de soluções da Dell que é um fabricante de hardware temos que saber.

O que são IOPS?

É o número de operações por segundo que um disco individual consegue chegar. Por exemplo, um disco SAS de 10K consegue em média 140 IOPS.

Esta velocidade é padrão na industria com variações entre modelos, mas podemos ter uma base do que é aceitável e o fabricante do disco poderá lhe informar este número.

Porem, note que a diferença é muito grande, principalmente levando em conta os novos discos SSD. Por exemplo, o disco X25-E da Intel (Veja o pdf com as caracteristicas em http://download.intel.com/design/flash/nand/extreme/extreme-sata-ssd-datasheet.pdf) chega a números 30 vezes maiores que os discos SAS e SATA.

image

Porque o IOPS é tão importante?

Esta pergunta é óbvia, mas a explicação pode não ser tão simples. Acontece que na maioria dos casos temos a tendencia de minimizar a questão dizendo que é “performance” ou “percepção do usuário” mas na verdade pode impactar diretamente no funcionando de um aplicativo, em alguns casos até inviabilizando.

Por exemplo, um ambiente Exchange 2003 com 2 mil caixas de correio precisa de 1,5 mil IOPS e este número não é fácil de alcançar. O SQL Server para um banco de dados do SharePoint precisa de 5 mil IOPS para funcionar.

Como calcular o IOPS?

Multiplique o total de discos pelo tipo de RAID e conseguirá o seu número. Segue alguns exemplos:

image

O RAID 1, RAID 10 ou RAID 0 irá lhe proporcional o maior numero de IOPS possivel, já o RAID 5 o calculo leva em conta 1 disco a menos e no RAID 50 2 discos a menos para as paridades.

Como conseguir o maior IOPS possivel com maior capacidade?

Temos tres formas de fazer isso:

  1. Utilize discos de alta performance, como os SAS de 15K ou o SSD, porem são caros e no caso do SSD de tamanhos de apenas 32/50/64/100GB
  2. Utilize o tipo de RAID apropriado para a performance e não visando o tamanho desejado como muitos hoje fazem, o que muitas vezes implica em utilizar RAID 10 para ter a performance total ao invés de RAID 50, perderiamos em capacidade mas ganhamos em performance
  3. Compre um storage que trabalha com as LUNs virtuais, ou seja, ele aloca os dados nos discos conforme a necessidade deste dado e não necessita dizer o tipo de RAID

O que são as LUNs virtuais?

Não vamos entrar no ponto técnico já que este é bem mais complexo, porem podemos entender o que é esta nova tecnologia sem nos tornarmos especialistas em storage.

Usando os storages da Dell como exemplo, o MD3200i trabalha com LUNs da forma normal que conhecemos. Você indica que os discos X a Y formam o RAID 0, de Z a W o RAID 5 e assim por diante. Ou seja, mapeamos diretamente os discos e ficamos dependentes da capacidade de IO individual de cada um.

Já na série EqualLogic podemos definir o tamanho da LUN sem indicar os discos e o próprio storage irá alocar automaticamente os dados mais acessados nos discos mais rápidos (!!!!!!!!!!). Você deve estar achando que é brincadeira ou algo do tipo “conceito”, mas não é!!

Os novos storages vendidos pela Dell, EMC, IBM e outros são inteligentes e permitem misturar os discos. Por exemplo, posso colocar discos SSD na gaveta do storage e mais uma gaveta adicional com 24 discos de 15K SAS e não me preocupar se a LUN que criei está nos discos mais performáticos, quem fará este trabalho é o storage.

E, o mais interessante, quando o storage “perceber” que determinado dado (LUN) é mais acessado que outro ele irá realocar para os discos mais rápidos e fazer o shift dos dados sem intervenção e queda de performance, já que trabalha em background e automático !!!!

Referencias interessantes

Como calcular IOPS para Exchange 2003 http://technet.microsoft.com/en-us/library/bb125019(EXCHG.65).aspx

Como calcular IOPS para Exchange 2010 http://technet.microsoft.com/en-us/library/ee832791.aspx

Como calcular IOPS para o SQL do SharePoint 2010 http://technet.microsoft.com/en-us/library/cc298801.aspx

Utilitário para medir IOPS para o SQL Server (SQLIO) http://www.microsoft.com/download/en/details.aspx?displaylang=br&id=20163

Referencia do EqualLogic S6000 http://www.equallogic.com/products/default.aspx?id=9511

Posted: jul 03 2011, 13:53 by msincic | Comentários (2) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Best Practices para Exchange 2010 no Hyper-V

Este documento disponibilizado no domingo pela Microsoft é útil não só em casos de Exchange mas como em qualquer outro projeto de virtualização com Hyper-V.

O documento foca nas melhores práticas de implementação do Exchange 2010 no Hyper-V mas adicionalmente explica as tecnologias envolvidas e o porque da recomendação.

Por exemplo, explica cada tipo de disco que o Hyper-V suporta (DAS, iSCSI, eSATA, etc) e considera qual o melhor a ser utilizado e recomendações como termos mais de uma placa de rede no caso de iSCSI, performance de discos virtuais fixos versus dinamicos, etc.

Mas como o documento é focado em Exchange, achei algumas recomendações muito interessantes, principalmente o resumo que ele apresenta com os itens:

  • Snapshots, differencing/delta disks
  • Virtual processor/physical processor core ratios greater than 2:1
  • Applications running on the root virtual machine (excluding antivirus, backup, management software, and so on).

Do meio do documento para frente ele passa a descrever um cenário de exemplo e mostrar os cáculos envolvidos pela carga do cliente e como seria o sizing, incluindo DAG e recomendações sobre como usar da melhor forma.

Resumindo, leitura imperdível!!!!!!

Faça o download em http://www.microsoft.com/downloads/en/details.aspx?FamilyID=8647c69d-6c2c-40ca-977e-18c2379b07ad

Posted: mai 17 2011, 09:52 by msincic | Comentários (2) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Migrando Pastas Públicas no Exchange 2010

Uma dificuldade que notamos no Exchange 2007/2010 em relação ao Exchange 2003 é a dificuldade de migrar pastas públicas quando um servidor é desativado para outros servidores distribuidos.

Entrar pasta por pasta para mudar é um processo lento e não temos uma forma fácil de replicar de cima para baixo, principalmente quando temos várias árvores.

Para isso no Exchange 2003 usávamos o PFDAVAdmin que não é compativel com o Exchange 2010.

Agora a Microsoft tem a ferramenta atualizada para o Exchange 2010 SP1 que também pode ser usada para o Exchange 2007 SP2 e Exchange 2010 RTM que se chama ExFolders.

O interessante desta ferramenta é o fato de permitir fazer a réplica de cima para baixo em qualquer nível de árvore desejada, como a imagem abaixo mostra:

ExFolders

Note a opção Folder Permissions que permite alterar as permissões de forma rápida. A opção Propagate replica list para corrigir problemas com servidores desativados de cima para baixo e as subpastas do lado direito ontem podemos ver todas as configurações de uma pasta, como replicas, itens e os limites desta.

Essa é a ferramenta essencial em uma migração!!!

Link para Download http://gallery.technet.microsoft.com/Exchange-2010-SP1-ExFolders-e6bfd405

Posted: mai 06 2011, 13:20 by msincic | Comentários (2) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Exchange Server
Login