MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Utilizando o Azure Log Analytics (OMS) e o SCOM na Mesma Maquina

Para utilizar o Log Analytics, antigo Operational Insights, junto com o System Center Operations Manager é possível fazer isso pelo console do próprio SCOM.

Essa forma de integração já em Março/2014: http://www.marcelosincic.com.br/post/Integrando-o-SCOM-ao-System-Center-Advisor.aspx

Apesar de ter alterado o nome de System Center Advisor, depois para Operational Insights e agora Log Analytics, o processo de integração com o SCOM se manteve o mesmo.

Porem a uma limitação no processo de integração do SCOM, pois ele só permite uma conta de OMS/Log Analytics por organização. Em muitos casos é necessário usar mais de uma conta, por exemplo:

  • Provedores de serviço e CSC em que cada cliente tem uma conta diferente no Azure
  • Quando utilizamos múltiplas assinaturas para monitorar um mesmo ambiente físico
  • Quando uma das contas é beneficio de Visual Studio com créditos limitados e desejamos separar os servidores em contas diferentes

Nestes casos podemos utilizar os dois métodos os mesmo tempo, instalar o agente do SCOM e não vincular a uma conta do Log Analytics e fazer o processo apenas nas maquinas desejadas.

Para isso, o primeiro passo é abrir o Log Analytics e copiar o Workspace ID e o Primary Key. Veja no exemplo abaixo que já tenho meu SCOM integrado ao Log Analytics.

capture20160706181016883

O passo seguinte é ir até a maquina que deseja monitorar e abrir o agente de monitoração do SCOM (Microsoft Monitoring Agent):

capture20160706180916785

Ao abrir as configurações do agente note a aba Azure Operational Insigths (nome anterior a Log Analytics). Veja nesse print que já tenho a maquina sendo reportada ao SCOM:

capture20160706180926742

Insira os dados da sua conta do Log Analytics e pronto, agora é possível ter a monitoração com várias contas ou individual:

capture20160706180935405

Agora os meus dados de Active Directory que antes não estavam sendo populados passam a estar devidamente preenchidos e monitorados:

capture20160706180955111

Instalando o System Center Service Manager Authoring

Na versão Technical Preview ou 2012 R2 do Service Manager Authoring é comum não conseguir passar do ponto abaixo da verificação de pre-requisitos:

capture20160614095229613

Mesmo clicando e deixando o instalador rodar o Visual Studio Shell 2008, a mensagem de que ele não está presente continua.

Para resolver isso é importante entender o motivo. O Shell do Visual Studio não é apenas um componente, mas sim um conjunto. O que acontece é que o Check do Service Manager Authoring não faz a instalação de todos os componentes, apenas o Shell que precisa de outros requisitos.

Para resolver baixe o Shell, execute e vá até o diretório criado pelo instalador e execute o aplicativo VS_Shell_Isolated.enu

capture20160614095251004

Veja que vários componentes serão instalados e atualizados e por isso que o instalador Service Manager Authoring não completa o processo de pré-requisitos:

capture20160614095300870

Após a execução do Shell, execute novamente o instalador do Service Manager Authoring e agora passara pela verificação com sucesso!

capture20160614095905551

Posted: jun 29 2016, 03:22 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Reinstalação do DPM pós-Avaliação ou Technical Preview

Uma das duvidas comuns que me mandam é quando se instalou o System Center Data Protection Manager, seja uma versão avaliação ou um Technical Preview, ao tentar desinstalar para atualizar o DPM ocorre o erro de que o DPM já está presente ou que ele está instalado como avaliação.

Esse erro acontece em vários casos, mas o corriqueiro é quando se utilizou um Technical Preview e a desinstalação mantem a chave de licença.

Para resolver o problema basta apagar a chave de licença que “sobra”:

  1. Abra o Editor de Registro (RegEdit.exe)
  2. Vá até a chave HKEY_CLASSES_ROOT\Licenses
    capture20160614000138497
  3. Delete a chave 830D982D-9ADC-4479-85CE-6474F7D00BB1

Após a remoção da licença do DPM, a instalação ocorre com sucesso!

Posted: jun 29 2016, 03:02 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Microsoft Virtual Machine Converter (MVMC)–Retirada do Produto

A Microsoft anunciou esta semana a retirada do MVMC como produto já no final deste ano.

https://blogs.technet.microsoft.com/scvmm/2016/06/04/important-update-regarding-microsoft-virtual-machine-converter-mvmc/

Para quem não conhece o MVMC ou não lembra sua função, ele é um plugin para converter maquinas fisicas (P2V) ou virtuais de outras plataformas (V2V) para VMs no Hyper-V.

 

O que usar no lugar do MVMC?

A sugestão apresentada é utilizar o Azure Recovery Site, mas ele na verdade é um serviço e não seria útil quando o desejo é subir VMs em ambiente on-premisse.

Porem, no caso do cliente que quer transformar o ambiente fisico (P2V) para nuvem (IaaS) o Azure Recovery Site é a melhor opção.

E para quem precisa fazer V2V hospedadas no VMWare para o Hyper-V pode utilizar o próprio VMM (System Center Virtual Machine Manager) que processa a conversão nativamente.

Por fim, para os casos de conversão de maquinas fisicas para virtuais (P2V) pode-se usar o Disk2VHD como já comentado em outras ocasiões e é um produto muito conhecido para gerar VHDs a partir de discos fisicos, que abordei em 2009: http://www.marcelosincic.com.br/post/Ferramenta-para-converter-HD-fisico-(em-uso)-para-VHD.aspx

Link do Disk2VHD: https://technet.microsoft.com/en-us/sysinternals/ee656415.aspx

Software Asset Management (SAM) com System Center Configuration Manager–Windows Desktop e Office (Part V)

Neste quinto artigo sobre como utilizar o SCCM para falar de SAM (Software Asset Management) vamos iniciar a leitura de relatórios envolvendo os dados de Windows desktops (client) e Office.

Para lembrar da nossa pauta e a agenda dos itens, use o link de introdução: http://www.marcelosincic.com.br/post/Software-Asset-Management-(SAM)-com-System-Center-Configuration-Manager.aspx

Introdução

O licenciamento que envolve o Windows cliente e o Office não são difíceis de serem interpretados. Basicamente o cálculo é feito por somar as versões e edições instaladas e comparar com o licenciamento que a corporação possui.

No caso de licenciamento para clientes é mais importante entendermos os diferentes tipos de licenciamento para os produtos envolvidos, para não cair nas “pegadinhas”.

 

Windows

OEM

O licenciamento do Windows normalmente não é comprado em contrato, pois a maioria compram os computadores com a licença de OEM. A maior dificuldade em caso de uma auditoria ou a gestão de ativos de software para OEM é o fato de ter que manter todas as notas fiscais. E se a licença for FPP (caixinha) é necessário ter colado a etiqueta na maquina (COA) e guardar a caixinha enquanto aquela maquina estiver com o SO comprado.

Referencia: http://windows.microsoft.com/pt-br/windows/genuine/business#T1=tab01 

E quando o cliente não possui as notas fiscais ou a caixinha? 

Neste caso é necessário pagar o licenciamento GGS, GGK ou GGWA (regularização) para cada máquinas que não tenha a nota fiscal. O valor da licença de regularização é muito similar a uma licença FPP mas tem possibilidade de contrato por volume facilitando o controle já que não precisa ter a etiqueta colada na maquina.

Também é possível comprar o licenciamento do Windows por meio de contratos, por exemplo no EA (Enterprise Agreement), EAS (Enterprise Agreement Subscription), MPSA (Microsoft Products and Services Agreement) ou em licenciamento online de Office 365 com o ECS (Enterprise Cloud Suite).

Observação: Em futuros artigos iremos abordar os diferentes tipos de contratos https://www.microsoft.com/en-us/Licensing/licensing-programs/enterprise.aspx

Nos casos de contrato EA, EAS e MPSA o licenciamento pode ser os de regularização já citados ou utilizar um bundle de licenciamento chamado ProDesk que incluir Windows, Office e CoreCal a um valor menor quando comprados separadamente.

Windows Enterprise e VDA

No caso de licenciamento e o ProDesk pode-se adquirir o Windows Enterprise que possui algumas características importantes, por exemplo o MDOP que é um conjunto de ferramentas (App-V, MBAM - Bitlocker Manager, AGPM) que são garantidos pelo SA (Software Assurance).

O VDA (Virtual Desktop) são as maquinas virtuais que existem no ambiente. Não podemos pegar o licenciamento de maquinas cliente e alocar para uma VM, exceto no caso de Windows Enterprise. Nos outros casos é necessário comprar uma licença VDA para cada VM de Windows Client que for inventariada.

Referencia do Enterprise com SA: https://www.microsoft.com/en-us/Licensing/licensing-programs/software-assurance-by-product.aspx#tab=2

Upgrade para Windows 10 (29/Julho/2016)

O Upgrade para Windows 10 pode ser feito até 29/Julho em qualquer uma das modalidades de compra, principalmente OEM. Os clientes pode fazer o upgrade e continuar licenciado.

Qual a diferença de alguém que fizer o upgrade após a data programada?

A ativação automática do Windows 10 só é possível com chaves licenciadas e OEM até esta data. Caso não faça o upgrade no prazo, as maquinas não conseguiram ativar e será necessário comprar uma nova licença ou retornar a anterior.

Direito de Downgrade

A página https://www.microsoft.com/pt-br/licensing/learn-more/brief-downgrade-rights.aspx traz o link para download de detalhes dos direitos de downgrade do SO:

image

 

Microsoft Office

Assim como Windows o Office pode ser comprado em OEM, FPP, Get Genuine (GG) e contratos de volume, valendo as mesmas regras anteriores.

Para não cair na repetição, vamos abordar o que temos de diferente em relação do Windows Client.

Direitos de Downgrade

O mesmo documento já especificado no Windows determina o direito de downgrade para o Office:

image

O direito de downgrade vale apenas para a versão e não para a edição, ou seja posso utilizar o Office 2010 Standard se tenho a versão 2013 Standard, mas não posso comprar a Professional e utilizar a Standard.

Office 365 Online

As diversas edições do Office 365 online não servem para licenciar as versões instaladas nos desktops.

É importante que no caso de clientes que possuem licenças de Office para legalizar e compraram o Office 365 ProPlus (separado ou como parte do ECS, E3 ou E5) que sejam desinstaladas as versões full.

O motivo é que as versões full de Office são ativadas com uma chave serial e são perpetuas, enquanto as versões Office 365 são validadas com a conta do usuário Microsoft ID e quando a assinatura expirar param de funcionar como seria o correto. No caso de clientes que tentaram comprar a versão online e estão utilizando a full, não ocorrerá a expiração e por isso é necessário o upgrade.

 

Licenciamento por Device ou User

O Office e Windows permitem os dois tipos de licenciamento, sendo o mais correto definido pelo perfil de uso.

No caso da maioria dos clientes utilizamos Device já que contamos as maquinas e atribuímos uma licença para cada computador. Porem, no caso de ambiente com Office 365 o licenciamento é por usuário e precisa-se entender a diferença e como contar.

Para licenciamento por usuário precisamos contar quantos usuários no AD não são administrativos ou maquinas e comprar o licenciamento.

O licenciamento por usuário tem vantagem no caso do ambiente em que um mesmo usuário utiliza dispositivos móveis para acessar a sua conta de correio, já que inclui até 5 dispositivos para cada usuário.

O licenciamento por dispositivo tem a vantagem de não ser necessário controlar usuários e podermos ter maquinas compartilhadas, já que na grande parte dos ambiente existem mais usuários que máquinas.

Manter ambientes com os dois tipos de licenciamento (Device e User) é possível mas complexo de controlar. Precisa-se neste caso contar e ter controlado qual maquina tem a licença de dispositivo e os usuários que estão utilizando licença por usuário.

Para saber quantas licenças de usuário teriam que ser compradas caso este seja o volume esperado, pode-se usar o relatório do Asset Intelligence que vimos nos artigos anteriores, principalmente os que indicam maquinas compartilhadas (Shared Computer) e o que indica o usuário primário para cada computador.

 

Conclusão

O licenciamento de Windows e Office não são tão complexos, mas exigem atenção pelo volume, principalmente o Office Professional que tem um custo elevado.

Referencia Geral: https://www.microsoft.com/en-us/Licensing/product-licensing/windows10.aspx

Posted: jun 05 2016, 18:45 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Login
Marcelo de Moraes Sincic | All posts tagged 'dpm'
MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Reinstalação do DPM pós-Avaliação ou Technical Preview

Uma das duvidas comuns que me mandam é quando se instalou o System Center Data Protection Manager, seja uma versão avaliação ou um Technical Preview, ao tentar desinstalar para atualizar o DPM ocorre o erro de que o DPM já está presente ou que ele está instalado como avaliação.

Esse erro acontece em vários casos, mas o corriqueiro é quando se utilizou um Technical Preview e a desinstalação mantem a chave de licença.

Para resolver o problema basta apagar a chave de licença que “sobra”:

  1. Abra o Editor de Registro (RegEdit.exe)
  2. Vá até a chave HKEY_CLASSES_ROOT\Licenses
    capture20160614000138497
  3. Delete a chave 830D982D-9ADC-4479-85CE-6474F7D00BB1

Após a remoção da licença do DPM, a instalação ocorre com sucesso!

Posted: jun 29 2016, 03:02 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Emulador para Tape Drive compativel com DPM (VTL)

Desde os posts que montei sobre DPM e uso de Tapes (http://bit.ly/o5IFjG http://bit.ly/mZOtsz http://bit.ly/odf897) que me perguntam como montar o ambiente em laboratório.

O que é um VTL?

É claro que na ocasião utilizei um Tape Drive real, mas é possivel emular, e muito bem. Fiz isso ontem para testes com o DPM 2012 (http://bit.ly/uW3c0D) e notem que funciona perfeitamente. Esta tecnologia é chamada de VTL (Virtual Tape Library).

image[4]

O nome do programa que uso para VTL é o FireStreamer (https://www.cristalink.com/fs/Default.aspx) podendo emular até 8 robos com 255 tapes drives e 60 mil slots!!!

Se quiser baixar o programa para testes ou demonstrações com DPM pode utilizar a trial de 30 dias disponivel no site.

Mas qual a função real de um VTL?

Sua função é permitir backups ”long term” em mídias que não sejam tapes detectáveis pelo DPM ou outros softwares.

Por exemplo, imagine que sua intenção seja criar um backup movél para Blu-Ray ou HD Externo, uma vez que o DPM não enxerga estes dispositivos como library já que midias removíveis não são válidas. Outra necessidade comum é mover o backup para outra localidade e com o backup normal “short term” do DPM não é possivel por ser formato proprietário.

Nestes casos, a solução é usar um VTL e apontar a fita para o dispositivo desejado, que nada mais é do que um caminho de disco local, como mostra a imagem abaixo.

FireStreamer

Veja que no exemplo será emulado 5 Tape Drives com 200 slots ao todo, sendo que adicionei uma fita com apontando que irá criar um arquivo “Fita.bak” no diretório “Tapes”.

É isso ai, com este ou outro software VTL está resolvido o problema de uso de HDs externos para backup!!!

Utilizando Fitas (Tape Drives) no DPM 2010–Parte II

Neste segundo post iremos tratar de como trabalhar com o tape drive e administrar as fitas no DPM 2010. No primeiro post abordamos a parte funcionar (Utilizando Fitas (Tape Drive) no DPM 2010–Parte I).

O gerenciamento de fitas no DPM é relativamente simples, mas importante para as atividades, principalmente quando falamos de robos com co-location habilitado.

Inicialmente, na imagem abaixo vemos um robo de fitas, a TL2000 da Dell que utiliza o drive 3573 da IBM.

Note que temos uma unidade de fita e um carrosel de 24 slots (o primeiro está carregado no drive) e cada fita tem um barcode e label indicando sua utilização.

Tape Drive

  • Status – Obviamente indica se a fita está livre ou disponivel. É importante que este campo só mostra se a fita está vazia, disponivel para uso ou danificada, porem o estado disponivel (Tape available) não indica que a fita está livre ou vazia, apenas que a fita não está com problemas
  • Tape Label – O DPM utiliza este campo para indicar o que está dentro da fita, no caso utilizando o nome do grupo de proteção mais um código sequencial como indicativo visual para o administrador de backup. O estado Free obviamente indica que a fita não contem dados ou que estes já expiraram, conforme a politica de renteção long-term do grupo de proteção
  • Barcode – Indicador unico de cada fita, o barcode lhe permite identificar a fita, mas não permite fidelizá-la, o que é uma limitação do DPM que muitos criticam, porem é importante notar que o próprio DPM gerencia isto automaticamente, principalmente em robos
  • Offisite Ready – Indica que a fita está com o backup. Nos casos em que o co-location estiver habilitado e existe o robo este dado pode não ficar disponivel por deixar a fita a espera de outros backups, porem nos casos de tape drives sem robo este dado indicaria que aquela fita já foi usada para o backup e que deve ser tirada, e quando o co-location estiver habilitado que a fita já está cheia e não é possivel continuar a utilizá-la

    O que é o Co-location?

    Esta opção permite ao DPM utilizar melhro as fitas por combinar backups. Por exemplo, uma fita LTO-3 pode ser de 800GB e o backup dos dados utilizar apenas 200GB, assim o restante da fita acomodaria outros conjuntos de backup e otimizariamos a necessidade de mais fitas.

    Para ativar abra o DPM Management Shell e utilize o comando:

    Set-DPMGlobalProperty –DPMServerName <Servidor> -OptimizeTapeUsage $True

    Quando usar o Co-location?

    Nos casos de não haver robo, apenas a unidade de fita, esta opção irá ajudá-lo por permitir que uma mesma fita contenha multiplos backup.

    Por outro o lado o co-location pode atrapalhar quando um dos backup não estiver expirado e a fita ficar cheia. Por exemplo, imagine que a mesma fita arquivou backup do servidor de arquivos e do SQL Server por 3 ciclos de retenção (1 mês com backups a cada 7 dias). Esta fita encheu e como os dois primeiros backups estão expirados mas o ultimo ciclo não, a fita não fica livre e não pode ser reutilizada até que o terceiro expire.

    Por outro lado, se você possui o robo este utilizará a fita até o final com vários conjuntos de backups e passará para a próxima fita ao final.

    Operações com Fitas

    O menu abaixo mostra as opções que podem ser utilizadas com as fitas:

    Options Tape

    • Inventory Library –Esta opção faz a leitura de todas as fitas no carrousel ou a fita que está no drive caso seja unico. Em casos em que uma fita aparece nos alertas como “suspect” ou “unreadable” esta opção resolve o problema por reinventaria todas as fitas
    • Rescan e Refresh – Utilizadas para o DPM reconhecer novas unidades de fita (tape drives)
    • Clean Drive – Pede a fita de limpeza do drive
    • Remove e Add Tape (I/E port) – Abrem a porta do tape para retirada ou colocar novos tapes
    • View Tape Contents – Retorna o catalogo da fita, com os backups que ela contem e a data de expiração
    • Erase Tape – Deleta os dados de uma fita, util quando ela ainda contem dados que não expiraram
    • Mark as Cleaning Tape e Unmark Tape as Free – Estas opções indicam que a fita está livre ou não, sendo que neste ultimo caso é util para quando se deseja guardar permanentemente o backup

    Com este segundo post vimos como administrar as fitas, no terceiro e ultimo veremos como criar as politicas de backup.

  • Leia a parte I – Criando grupos de proteção com uso de tapes Utilizando Fitas (Tape Drive) no DPM 2010–Parte I

    Leia a parte III – Criando sua politica de backups tapes http://www.marcelosincic.com.br/blog/post/Utilizando-Fitas-(Tape-Drives)-no-DPM-2010e28093Parte-III.aspx

    Posted: jul 16 2011, 02:01 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
    • Currently 0/5 Stars.
    • 1
    • 2
    • 3
    • 4
    • 5

    Licenças da Família System Center-Tipos e Preços

    Ao falarmos de produtos da família System Center, principalmente focando sobre os 3 principais produtos que são o Configuration Manager, Operations Manager e Data Protection Manager, sempre surge a questão de preços do licenciamento.

    Montei uma tabela simples abaixo baseado nos valores praticados nos Estados Unidos e Canadá, porem no Brasil os valores não são 1 por 1 nem conversão pela cotação do dia. Leve em consideração também que o volume e o tipo de contrato pode alterar para baixo os valores da tabela padrão.

    Produto (valores em U$)

    Licença Servidor Std

    Licença Server Enterprise

    Licença Server Standard

    Licença Client

    Configuration Manager 2007 R2

    579

    430

    157

    41

    Configuration Manager 2007 R2 com SQL

    1321

    430

    157

    41

    Operations Manager 2007 R2

    579

    431

    157

    32

    Operations Manager 2007 R2 com SQL

    1321

    431

    157

    32

    Data Protection Manager 2010

    432

    158

    NA

    32

    Virtual Machine Manager

    869

    40

    NA

    NA

    Suite completa System Center

    1569

    NA

    NA

    70

    Levando em conta a tabela acima, veja valores para uma empresa com 10 servidores (5 virtuais) e 1000 clientes utilizando a suite. O calculo envolveria apenas um servidor de monitoração e não um farm de papeis:

    Produto

    Licença Servidor Std

    Licenças Servidores

    Licenças Clientes

    Valor Total

    Configuration Manager 2007 R2

    579

    1.570

    41.000

    43.149

    Configuration Manager 2007 R2 com SQL

    1.321

    1.570

    41.000

    43.891

    Operations Manager 2007 R2

    579

    1.570

    32.000

    34.149

    Operations Manager 2007 R2 com SQL

    1.321

    1.570

    32.000

    34.891

    Data Protection Manager 2010

    432

    1.580

    32.000

    34.012

    Virtual Machine Manager

    869

    200

    NA

    1.069

    Suite completa System Center

    1.569

    não se aplica

    70.000

    71.569

    Note que na tabela acima levei em conta o custo MÁXIMO pois nem todos os clientes terão agentes do DPM e SCOM, o que reduziria muito o custo acima.

    Para ter acesso a tabela com todos os produtos e detalhes do licenciamento acesse o link http://www.microsoft.com/systemcenter/en/us/pricing-licensing.aspx

    Posted: dez 06 2010, 11:19 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
    • Currently 0/5 Stars.
    • 1
    • 2
    • 3
    • 4
    • 5
    Filed under: System Center

    Avaliação do System Center Data Protection Manager (DPM)

    Desde o inicio do ano passado utilizamos o System Center Data Protection na empresa para gerenciar e automaticar processos de backup. E em todas as consultorias que realizamos estamos indicando este produto como sendo o melhor para a linha de servidores Microsoft.

    O que o DPM tem que nos cativou?   Quais as vantagens deste produto?  Vou citar as vantagens que mais se destacam em nosso ambiente, porem no site do produto (http://www.microsoft.com/systemcenter/dataprotectionmanager/en/us/top-ten-benefits.aspx) você encontrará mais motivos:

    • O suporte nativo a produtos permite customizar o backup e restore conforme as caracteristicas do produto. Por exemplo, se for Exchange o DPM autormaticamente faz as réplicas do edb e monta os pontos de restauração utilizando os logs. Se o servidor protegido é o SQL ou o Sharepoint o DPM faz a réplica do banco de dados e monta os pontos de restauração utilizando o log do banco. Como estes exemplos mostram, o tráfego de rede é otimizado e a segurança na restauração garantida com menor tempo possivel
    • Backup de VMs do Hyper-V ou Virtual Server 2005 R2 em modo nativo. Ou seja, se você possui uma VM com Sharepoint não precisa ficar fazendo backup da base, pode fazer backup do vhd inteiro, o que garante uma restauração muito mais rápida já que os pontos de restauração são feitos como se fossem um disco diferencial, apenas com as modificações. Recentemente em uma multinacional a qual dou suporte eles apagaram um site do Project Server e voltamos o backup pelo DPM da VM inteira em menos de 15 minutos
    • Eliminação das "janelas de backup", já que os pontos de restauração não são backups full e sim incrementais. No mesmo ambiente que comentei acima o backup impactou tão pouco que não houve queda de performance para os usuários. É claro que os administradores notaram que o tráfego de rede deu um acrescimo de 4% nas medições, mas estava dentro do esperado
    • Simplicidades no agente, tanto na instalação que é automática e pela rede quanto no momento da criação dos grupos de restauração. Muitos programas de backup não oferecem uma interface visual tão simples no momento de criar os grupos de proteção
    • Grupos de proteção híbridos e multiservidores facilitam muito a administração, já que tanto posso criar um grupo de proteção com todos os bancos de dados SQL que estão em vários servidores como tambem criar um grupo de proteção para um servidor com vários serviços ao mesmo tempo
    • O licenciamento é muito simples, se você faz backup de Exchange, Sharepoint ou SQL basta ter a licença Enterprise para cada servidor protegido. Se você faz backup do Windows e pastas utiliza a licença Standard para cada servidor protegido

    No uso do dia-a-dia do DPM vemos como ele é simples e funcional. É um produto realmente muito util e simples de gerenciar. Mesmo em pequenos clientes, com 2 servidores, vale a pena, já que em um unico conjunto de backup realizamos as operações com Exchange, SQL, Sharepoint, File Share e System State de forma centralizada. É uma ótima ferramenta para o Windows Small Business, por exemplo.

    Se você gostou da avaliação e quer implementar assista os videos em http://www.marcelosincic.com.br/blog/post/Serie-Technet-VideoCast-System-Center-Data-Protection-Manager.aspx

     

    Posted: mar 30 2010, 11:20 by msincic | Comentários (1) RSS comment feed |
    • Currently 0/5 Stars.
    • 1
    • 2
    • 3
    • 4
    • 5
    Login